luiz-pimentel Últimas Postagens

A Grande Ilusão

Publicado em Quinta, 08 Setembro 2016 22:13 | Escrito por Luiz Pimentel

“Ego cogito, ergo sum” – esta afirmação do famoso filósofo francês René Descartes, dita em 1837,
em plena Idade Moderna, perseverou ao longo dos tempos até nossos dias, mantendo a mesma força
e polêmica dos seus primeiros dias. Sem dúvidas, ainda são muitos os filósofos e pensadores a
buscarem nesta asserção o sentido correto do pensamento original.
“Eu penso, logo existo” traduz de imediato a ideia de alguém profundamente perdido nas incertezas
de sua própria existência; alguém que busca extrair do nada o conteúdo que satisfaça preencher o
vazio do existencialismo inexplicado, instituindo através da dúvida a prova do próprio ser.
René Descartes, formado pelas melhores universidades europeias de sua época, em Direito,
Filosofia, Física e Matemática, não encontrava argumentos convincentes, baseado em tudo que
lograra aprender no âmbito universitário, que lhe demonstrasse categoricamente a realidade do
mundo objetivo.
O ensino das escolas, mesmo o conteúdo científico, estava fortemente baseado em conceitos
filosóficos ou religiosos, e careciam de embasamento experimental ou empírico. Portanto, dependia
de interpretação e, por conseguinte, falseava e se perdia na irregularidade. Por isso, René Descartes
se dizia arrependido, exceto no que se refere à matemática, de haver perdido tanto tempo estudando
coisas estereis e insustentáveis.
A conclusão lógica de que o simples ato de pensar consistia na única prova de sua existência,
resolvia seu problema pessoal de solipsismo.
Embora desde os tempos de Descartes até os dias atuais a ciência haja evoluído exponencialmente,
oferecendo subsídios que certamente poderiam resolver o dilema do famoso filósofo e cientista,
mesmos assim, não oferece para o estudioso atual, as respostas convincentes que expliquem o
mesmo impasse, quando observado sob as perspectivas de nossa época.
Na medida em que leis básicas da constituição da matéria, da energia, do átomo, etc, são
desvendadas e explicadas, novas opiniões ou convicções mais abrangentes surgem, colocando em
“xeque”, novamente, a mente dos atuais cientistas e filósofos.
Aparentemente, somos conduzidos a deduzir que, quanto mais profundo o conhecimento das leis
que regem este universo material, mais difícil se torna a explicação objetiva de sua realidade. A
ciência ortodoxa, ou materialista, tende a desviar-se para a subjetividade, submergindo
forçosamente em novos universos sem fronteiras, onde as ideias outrora rechaçadas pelas mentes
pensantes, aparecem agora mais atrativas e ligadas a explicações inusitadas.
O ato de pensar – o mesmo insinuado por Descartes – se traveste de maior objetividade. Pensar
sugere o acionamento de um fluxo de energia; algo que nos demonstra existência verdadeira e não
imaginária.
Realmente, alguns cientistas, mesmo aqueles ortodoxos, já aceitam, e até fazem pesquisa
experimental em laboratório, sobre o fato de que o pensamento emite ondas eletromagnéticas que
são capazes de influenciar coisas materiais. No entanto, devemos considerar que o pensamento é o
agente causador do fenômeno; aquele que determina ao cérebro a função de gerar tais ondas
magnéticas. O cérebro e as ondas eletromagnéticas geradas, pertencem ao Universo Físico, material,
objetivo, mas o pensamento em si, está em dimensão diferente.
O fato de que algo que reside fora do escopo do plano material e objetivo, possa efetivamente agir
ou reagir com nossa realidade, nos dá subsídios para estudar e meditar profundamente neste amplo
campo de pesquisa para a mente humana.
Sabemos que este assunto, embora pareça recente conhecimento no meio científico ortodoxo, já
vem sendo estudado a milênios nas Escolas Herméticas, ou Iniciáticas, ou de Mistérios, onde a
informação transmitida de Mestre a Discípulo, tinha origem desconhecida.
De forma velada, conhecimentos desta natureza foram ensinados também por outros Mestres, o que
deu origem a algumas religiões, por exemplo, Jesus Cristo, Buda, Maomé e outros. Tais
ensinamentos, embora encerrem conhecimentos elevados, são transmitidos de forma essencialmente
religiosa ou filosófica.
O objetivo preponderante da maioria destas escolas visa esclarecer o adepto da sua condição
espiritual, isto é, o homem além da matéria. Ensina, através do conhecimento e da experiência, que
somos vítimas da ilusão de um universo material, pois que tudo, na verdade, é tão somente pura
energia. Adverte para a realidade de outros universos, além deste físico, que conscientizamos; da
possibilidade da imortalidade – que vai além da Lei de Conservação da Energia; da vida espiritual;
das reencarnações, etc. Explica sobre Leis Universais que regulam todos estes universos e,
principalmente, a relação destas sobre os desígnios da humanidade.
Jesus disse: “Nem só do pão (elementos básicos existente nos alimentos) viverá o homem, mas de
toda palavra (o verbo, a energia vital) que procede (flui para o corpo humano) da boca de
Deus (glândula especial, responsável pela principal captação desta energia).” – Lucas(4:4) –
Extraído dos ensinamentos deParamahansa Yogananda.
Este ensinamento, proferido pelo Mestre Jesus, deixa transparente a intenção de declarar a condição
espiritual do homem, pois que a criatura humana necessita não somente do nutriente físico, como
também da Energia Cósmica Espiritual que satisfará sua condição mística.
Esta circunstância dual da natureza humana, salienta a interação entre ambas e nos mostra
claramente que, se existem simultaneamente, estão submetidas a leis específicas que controlam
estas relações. Também, não necessitamos de estudos profundos para evidenciar os respectivos e
principais atributos: No homem físico, dominam os seus cinco sentidos – audição, visão, olfato, tato
e paladar – que representam os dispositivos sensores para captação e interpretação, no cérebro, de
todo universo físico, objetivo, ao qual pertence. É através das informações recebidas e processadas
pelo cérebro que temos consciência objetiva de tudo que nos cerca.
Quando fazemos um breve estudo sobre cada um destes cinco sensores; da forma como captam e
transmitem as sensações recebidas do exterior, para serem processadas no cérebro, embora cada um
deles seja extremamente indispensável para nossa vida comum, entretanto, se fizermos uma
avaliação técnica detalhada e nos eximirmos da condição de dependência, veremos que, sem
exceção, trabalham dentro de uma restrita faixa perceptiva, filtrando por deficiência, para além e
para aquém destas faixas, uma infinidade de informações. Quando tais informações são finalmente
transmitidas para o cérebro, temos ainda dois fatores degradantes que afetam a realidade da
informação: a integridade ou não do próprio sistema de transmissão e a capacidade de
processamento do cérebro envolvido. O resultado deste processamento poderá ser uma má
interpretação, criando uma imagem mental ou uma sensação que não corresponde à realidade, mas a
uma grande ilusão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *