XV Simpósio Nacional de História das Religiões

 

2⁰ Simpósio Internacional de História das Religiões
XV Simpósio Nacional de História das Religiões
ABHR 2016
O quadricentenário da morte de William Shakespeare e uma pergunta de Denizard Rivail


Gismair Martins Teixeira1
Maria do Socorro Pereira Lima2

1. Introdução
Em seu tratado acerca do imaginário, intitulado As estruturas antropológicas do
imaginário, o pesquisador francês Gilbert Durand (2012, p.18) conceitua que o imaginário
representaria “o conjunto das relações de imagens que constituem o capital pensado do
homo-sapiens”. Assim, o imaginário abrangeria praticamente todas as instâncias culturais da
humanidade. Ainda conforme Durand (2012, p.25), a religião e a poesia, bem como por
inferência a literatura em geral, guardam íntima correspondência entre si no âmbito do
imaginário.


Surgido bibliograficamente a partir de 18 de abril de 1857, com a publicação de O
livro dos espíritos, por Hippolyte Léon Denizard Rivail, sob o pseudônimo de Allan Kardec, o
espiritismo possui um riquíssimo imaginário que desde o seu surgimento vem expandindo-se
de forma exponencial em sua representatividade. Com pouco mais de século e meio de
existência, a doutrina sistematizada por Kardec desenvolveu toda uma literatura, de diversos
gêneros, representativa e compósita de seu conjunto de imagens.
1 Doutor em Letras e Linguística pela Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Professor do
Centro de Estudo e Pesquisa Ciranda da Arte da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte de Goiás.
http://cirandadaarte.com.br/portal/
2 Mestranda em Performances Culturais pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de
Goiás; graduada em Licenciatura em Artes Visuais pela Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de
Goiás; graduada em Comunicação Social, Habilitação em Relações Públicas pela Faculdade de Informação e
Comunicação da Universidade Federal de Goiás.No amplo espectro da literatura universal, e numa perspectiva cartográfica, nomes
diversos e fundamentais compuseram peças literárias em que o imaginário espírita
comparece em suas efabulações. Isto, após o surgimento do espiritismo na segunda metade
do século XIX. Todavia, o imaginário espírita poderia ter aparecido antes e de forma bastante
delineada em algum grande autor pré-espiritista?
Este trabalho tem por objetivo apresentar um estudo de caso que enfrenta essa
questão com base no instigante diálogo entre duas perspectivas imaginárias distintas: a do
imaginário dramatúrgico-literário e a do imaginário espírita. Como representante do
primeiro grupo, tomaremos a peça Hamlet, de William Shakespeare, cujo quarto centenário
de morte transcorre no ano de 2016; como representatividade do segundo grupo, será
recortada uma interrogação de Allan Kardec, constante de O livro dos espíritos (1995), obra
composta de pouco mais de mil perguntas dirigidas aos espíritos sobre os mais variados
temas.
O dialogismo entre a citada peça shakespeariana e o paradigma espírita constituirá,
assim, a problemática de que passaremos a tratar neste estudo, cujo objetivo é o de
apresentar uma contribuição aos imaginários da religiosidade e da literatura, explorando no
âmbito da metodologia da pesquisa qualitativa (SEVERINO, 2016, p.125) um campo ainda
bastante amplo de possibilidades investigativas, representado pelo diálogo espírita-literário.
2. A efeméride, a peça, um paradigma e uma pergunta
William Shakespeare é uma das personalidades literárias mais complexas da
literatura no Ocidente. Nascido em 23 de abril de 1564, na cidade inglesa de Stratford-uponAvon, o célebre dramaturgo veio a falecer na mesma cidade, também num dia 23 de abril,
em 1616. Logo, o ano de 2016 assinala o quarto centenário da morte dessa extraordinária
personalidade da cultura mundial. Sobre William Shakespeare, o crítico literário norteamericano, Harold Bloom, um dos principais estudiosos da obra e da vida do poeta e
dramaturgo inglês, assevera:Em Shakespeare, não temos um sábio, nem um crente, mas uma consciência tão vasta
que não tem, em absoluto, concorrente: seja em Cervantes ou Montaigne, em Freud ou
Wittgenstein. Aqueles que escolhem uma das religiões do mundo, ou por elas são
escolhidos, frequentemente, postulam uma consciência cósmica à qual atribuem origens
sobrenaturais. Mas a consciência shakespeariana, que transforma matéria em imaginação,
não precisa violar a natureza. A arte shakespeariana é a própria natureza, e a consciência
de Shakespeare mais parece produto do que produtor adessa arte.
Aos confins da mente, leva-nos o gênio shakespeariano: uma consciência formada por
todas as consciências por ele imaginadas. (BLOOM, 2003, p.36)
Acerca da genialidade shakespeaeriana, Harold Bloom defenderá de forma reiterativa em
outra obra, Shakespeare: a invenção do humano (2000), a grandeza do bardo inglês, o que
transparece do próprio título de seu estudo, que resulta na análise de todas as 38 peças de
William Shakespeare.
Em Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura (2003), Bloom
antecipa a perspectiva de que Shakespeare inventa o humano ao disseminar em suas peças
o recurso da autoescuta por parte de seus personagens, a linguagem interior, que seria
usada pelos grandes mestres literários futuros (BLOOM, 2003, p.57). Dentre as personagens
shakespearianas, uma das que mais se destacaria na prática da interiorização seria Hamlet, o
protagonista da peça homônima.
Escrita entre os anos de 1599 e 1601, Hamlet apresenta em sua sinopse a história do
atormentado príncipe da Dinamarca, que empresta seu nome à peça. O protagonista do
drama suspeita que seu tio Cláudio tenha assassinado seu pai, também chamado Hamlet,
para casar-se com a rainha Gertrudes, assumindo o trono. O fantasma do falecido rei
aparece a seu filho, confirmando suas suspeitas, e o informa de que fora envenenado,
passando a exigir vingança. A partir desse mote se desenvolve toda a trama repleta de
ilações de cunho filosófico e moral. A peça tem início com a sobrenatural visão:
ATO I
Cena I[...] BERNARDO: Quem está aí? Horácio?
HORÁCIO: Só um pedaço dele. O resto ainda dorme.
BERNARDO: Bem-vindo, Horácio. Bem-vindo, bom Marcelo.
MARCELO: Então, me diz – esta noite a coisa apareceu de novo?
BERNARDO: Eu não vi nada.
MARCELO: Horácio diz que tudo é fantasia nossa
E não quer acreditar de modo algum
Na visão horrenda que vimos duas vezes.
[...] MARCELO: Silêncio! Não fala! Olha – vem vindo ali de novo! (Entra o Fantasma.)
BERNARDO: Com a mesma aparência do falecido rei.
MARCELO: Você é um erudito; fala com ele, Horácio.
BERNARDO: Não te parece o rei? Repara bem, Horácio.
HORÁCIO: É igual – estou trespassado de espanto e medo.
BERNARDO: Ele quer que lhe falem.
MARCELO: Fala com ele, Horácio.
HORÁCIO: Quem és tu que usurpas esta hora da noite
Junto com a forma nobre e guerreira
Com que a majestade do sepulto rei da Dinamarca
Tantas vezes marchou? Pelos céus, eu te ordeno: fala!
MARCELO: Creio que se ofendeu.
BERNARDO: Olha só; com que altivez vai embora!
HORÁCIO: Fica aí! Fala, fala! Eu te ordenei – fala! (O Fantasma
sai.)
MARCELO: Foi embora e não quis responder.
BERNARDO: E então, Horácio? Você treme, está pálido.
Não é um pouco mais que fantasia?
Que é que nos diz, agora?
HORÁCIO: Juro por Deus; eu jamais acreditaria nisso
Sem a prova sensível e verdadeira
Dos meus próprios olhos. [SHAKESPEARE, 2009, p.13-15]
Após o fantasma aparecer e ser reconhecido pelas testemunhas que montavam
guarda no castelo, a peça continua a apresentar a curiosa relação do ser sobrenatural com asdemais personagens. Horácio dialoga com Hamlet, falando-lhe da aparição do espírito de
Hamlet-pai. Na Cena IV do Primeiro Ato, pode-se ler:
HORÁCIO: Olha só, meu senhor, lá está ele! (Entra o Fantasma.)
HAMLET: Anjos e mensageiros de Deus, defendei-nos!
Sejas tu um espírito sagrado ou duende maléfico;
Circundado de auras celestes ou das chamas do inferno;
Tenhas intenções bondosas ou perversas;
Tu te apresentas de forma tão estranha
Que eu vou te falar. Tu és Hamlet,
Meu rei, meu pai, senhor da Dinamarca. Vai, me responde!
Não deixa que eu exploda em ignorância: me diz
Por que teus ossos, devidamente consagrados, enterrados com as devidas cerimônias
Romperam a mortalha; por que o sepulcro,
Onde te depusemos tão tranqüilamente,
Abriu suas pesadas mandíbulas de mármore
Pra te jogar outra vez neste mundo? (SHAKESPEARE, 2009, p.33)
Na sequência, na Cena V, Hamlet-fantasma revela a Hamlet-vivo a causa de sua
morte, que teve em Cláudio, irmão do rei, o responsável, num fratricídio remissivo ao etos
de Caim e Abel na narrativa bíblica.
Outra parte da Esplanada. (Entram o Fantasma e Hamlet.)
HAMLET: Pra onde me leva? Fala: não passo daqui.
FANTASMA: Me escuta.
HAMLET: Te escuto.
FANTASMA: Está quase na hora
Em que devo voltar pro tormento
Das chamas de enxofre.
HAMLET: Ah, espírito infeliz!
FANTASMA: Não desejo pena, só teu ouvido atento
Ao que vou revelar.
HAMLET: Fala: estou pronto pra ouvir.FANTASMA: E também pra me vingar, depois de ouvir.
HAMLET: O quê?
FANTASMA: Sou o espírito de teu pai
Condenado, por um certo tempo, a vagar pela noite
E a passar fome no fogo enquanto é dia,
Até que os crimes cometidos em meus tempos de vida
Tenham sido purgados, se transformando em cinza.
Se não me fosse proibido
Narrar os segredos das profundas,
Eu te revelaria uma história cuja palavra mais leve
Arrancaria as raízes da tua alma.
E gelaria o sangue da tua juventude,
Fazendo teus dois olhos abandonarem as órbitas
Como estrelas perdidas; enquanto teus cabelos,
Separados em tufos, ficariam com os fios em pé:
Cerdas na pele de um porco-espinho.
Mas esses segredos do sobrenatural
Não são pra ouvidos feitos de carne e sangue,
Escuta, escuta, escuta!
Se você algum dia amou seu pai...
HAMLET: Ó, Deus!
FANTASMA: Vinga esse desnaturado, infame assassinato.
HAMLET: Assassinato!
FANTASMA: Todo assassinato é infame:
Este é infame, perverso – monstruoso.
HAMLET: Me conta tudo logo, pra que eu,
Mais rápido do que um pensamento de amor,
Voe para a vingança.
FANTASMA: Te vejo decidido:
E serias mais insensível do que as plantas adiposas
Que apodrecem molemente nas margens do rio Letes
Se ficasses impassível diante disso. Então, Hamlet, escuta:
Se divulgou que fui picado por uma serpente
Quando dormia em meu jardim;
Com essa verão mentirosa do meu falecimentoSe engana grosseiramente o ouvido de toda a Dinamarca.
Mas saiba você, meu nobre jovem:
A serpente cuja mordida tirou a vida de teu pai
Agora usa a nossa coroa.
HAMLET: Ó, minha alma profética! Meu tio! (SHAKESPEARE, 2009, p.35-6)
A partir dessa revelação do espírito paterno, Hamlet passa a tramar a vingança
exigida pela alma penada em relação a seu homicida. O protagonista de Shakespeare
apresentará reflexões instigantes, envoltas por um comportamento que sugere um quadro
de loucura que tanto pode ser fingida quanto pode ser real.
A mais célebre sentença shakespeariana é proferida num contexto que acompanha
uma reflexão acerca da natureza da aparição que o protagonista testemunhara
anteriormente na peça:
ATO III
Cena I
[...] HAMLET: Ser ou não ser – eis a questão.
Será mais nobre sofrer na alma
Pedradas e flechadas do destino feroz
Ou pegar em armas contra o mar de angústias –
E, combatendo-o, dar-lhe fim? [...]
Pois quem suportaria o açoite e os insultos do mundo, [...]
Podendo, ele próprio, encontrar seu repouso
Com um simples punhal? Quem aguentaria fardos,
Gemendo e suando numa vida servil,
Senão porque o terror de alguma coisa após a morte –
O país não descoberto, de cujos confins
Jamais voltou nenhum viajante – nos confunde a vontade,
Nos faz preferir e suportar os males que já temos,
A fugirmos pra outros que desconhecemos? (SHAKESPEARE, 2009, p.67)Um pouco antes, ao final do Segundo Ato e da Cena II, o atormentado príncipe
dinamarquês afirmara:
[...] Mas o espírito que eu vi pode ser o demônio.
O demônio sabe bem assumir formas sedutoras
E, aproveitando minha fraqueza e melancolia,
– Tem extremo poder sobre almas assim –
Talvez me tente para me perder.
Preciso provas mais firmes do que uma visão. (SHAKESPEARE, 2009, p.65)
Harold Bloom, que leciona sobre o poeta e dramaturgo inglês há quatro décadas em
Yale, nos Estados Unidos, escreveu um trabalho que é uma espécie de prólogo a sua obra
sobre William Shakespeare como inventor do humano. Em Hamlet: poema ilimitado (2004),
ele discorre sobre a peça de forma detalhada, contemplando em suas abordagens os
solilóquios hamletianos que se tornaram proverbiais no universo da cultura ocidental.
Acerca do último trecho transcrito, afirma (BLOOM, 2004, p.42): “É duvidoso que, de fato,
ele ache que o espectro do pai é um demônio, [...]”.
Os excertos de Hamlet em recorte abrem um diálogo notável com o imaginário
espírita instaurado por Allan Kardec, o professor Denizard Rivail, e o trabalho de seus
continuadores, dentre os quais podem ser destacados nomes como o de Francisco Cândido
Xavier, Divaldo Pereira Franco e Hermínio Corrêa Miranda. As publicações de Kardec que se
seguiram a O livro dos espíritos (1995) se caracterizam como material de pesquisa e
exposição que desdobra os apontamentos inicialmente apresentados nessa obra basilar da
doutrina espírita, instauradora do paradigma espiritista.
Do eixo paradigmático espírita constam princípios como o da existência do espírito; a
sua pré-existência ao corpo físico; a sua sobrevivência à morte corporal; a migração do
espírito através de vários corpos através do fenômeno da reencarnação; a relação do
espírito fora do corpo físico com o que está no corpo através do fenômeno comunicacional
da mediunidade; a influência recíproca de um espírito sobre o outro, tanto positiva quanto
negativa, instaurando processos de cura e de patologia a partir dessa relação; umateleologia espiritual mediada pela progressão constante do princípio espiritual; conforme
pode ser conferido na vasta bibliografia de Allan Kardec decorrente de suas obras em
recorte neste trabalho.
Em O livro dos médiuns, obra caracterizada pelo estudo das manifestações
espirituais, o professor Rivail realiza um amplo estudo acerca das aparições espirituais nos
moldes da que é apresentada na peça de William Shakespeare. Através do fenômeno da
psicografia, em que é atribuída a mensagem textual à intervenção de uma força oculta que
comanda a mão do médium, as inteligências extracorpóreas responderam a diversas
questões sobre as aparições espirituais à visão humana. Como corolário às respostas, Allan
Kardec apresenta um ensaio teórico acerca das manifestações visuais (1996, p.139) que
remete simetricamente à aparição de Hamlet-pai às testemunhas que puderam vê-lo,
reconhecendo-lhe os caracteres:
Podendo tomar todas as aparências, o Espírito se apresenta sob a que melhor o faça
reconhecível, se tal é o seu desejo. Assim, embora como Espírito nenhum defeito
corpóreo tenha, ele se mostrará estropiado, coxo, corcunda, ferido, com cicatrizes, se isso
for necessário à prova da sua identidade. Esopo, por exemplo, como Espírito, não é
disforme; porém, se o evocarem como Esopo, ainda que muitas existências tenha tido
depois da em que assim se chamou, ele aparecerá feio e corcunda, com os seus trajes
tradicionais. (KARDEC, 1996, p.140)
Ao propor que William Shakespeare é o inventor do humano em toda a sua
complexidade e idiossincrasia, Harold Bloom (2000) estabelece, naturalmente que de forma
involuntária, uma peculiaríssima correspondência especular entre o comportamento de
Hamlet-filho e o etos paradigmático espírita. Como pode ser visto nos excertos da peça
shakespeariana, anteriormente transcritos, tem o leitor diante de si toda uma gama de
nuances espiritistas disseminadas no drama do príncipe dinamarquês.
A par, contudo, da visão do fantasma paterno; do diálogo que se estabelece entre os
Hamlets encarnado e desencarnado, conforme a terminologia espiritista; da influência
espiritual negativa do pai sobre o filho, que Allan Kardec denominou de obsessão, através dopedido de vingança de Hamlet-pai; das referências do espírito a sua condição no além;
tópicos que dariam outros tantos estudos, destaca-se a singular postura do herdeiro natural
do trono da Dinamarca ante o acontecimento sobrenatural.
Mesmo diante da evidência pessoal do próprio testemunho, o príncipe dinamarquês
hesita posteriormente em aceitar a possível realidade de que tenha estabelecido um diálogo
com o seu pai falecido, pois afirma que a morte representa o país de onde jamais alguém
retornou para dar notícias (SHAKESPEARE, 2009, p.67). Em outro momento dirá que o
espírito paterno pode na verdade ser o demônio sob disfarce (2009, p.65), numa
recuperação dos imaginários católico e protestante, que veem na comunicação entre o
espírito de um morto e sua parentela uma manifesta artimanha diabólica, não obstante a
dúvida de Harold Bloom quanto à crença de Hamlet de que a aparição paterna seja de fato o
demônio.
Em torno da tradicional hesitação humana, nesse caso enformada na dúvida
hamletiana concernente à identidade paterna do espírito que lhe aparecera, Allan Kardec
apresentou aos seus interlocutores espirituais um questionamento peculiarmente remissivo
ao que se passa em Hamlet no que diz respeito à aparição espiritual e sua posterior
interpretação por parte do príncipe vidente:
802. Visto que o Espiritismo tem que marcar um progresso da Humanidade, por que não
apressam os Espíritos esse progresso, por meio de manifestações tão generalizadas e
patentes, que a convicção penetre até nos mais incrédulos?
Desejaríeis milagres; mas, Deus os espalha a mancheias diante dos vossos passos e, no
entanto, ainda há homens que o negam. Conseguiu, porventura, o próprio Cristo
convencer os seus contemporâneos, mediante os prodígios que operou? Não conheceis
presentemente alguns que negam os fatos mais patentes, ocorridos às suas vistas? Não
há os que dizem que não acreditariam, mesmo que vissem? Não; não é por meio de
prodígios que Deus quer encaminhar os homens. Em sua bondade, ele lhes deixa o mérito
de se convencerem pela razão. (KARDEC, 1995, p.374; grifo negrito nosso)
O estudo sistematizado do paradigma espiritista, cujo eixo se assenta sobre a
existência do espírito, sua sobrevivência à morte física, bem como sua pré-existência aonascimento, sua migração por vários corpos e sua comunicação entre dimensões (os
chamados mortos comunicando-se com os vivos, influenciando e sendo por eles
influenciados), conforme já foi mencionado, aparece de forma bastante consistente na peça
de William Shakespeare posta em evidência neste trabalho.
Dos trechos em destaque para este estudo resulta, pois, que o proverbial “ser ou não
ser” hamletiano (2009, p.67) diz respeito não somente à grave questão existencial de
enfrentar as agruras da vida ou evadir-se pelas portas do suicídio – que representaria a
magna questão filosófica segundo Albert Camus em O mito de Sísifo (2008) –, mas também
concerne ao fundamental problema espiritual da identidade de um espírito que se comunica
com os vivos, conforme a proposta paradigmática espírita viria a ressaltar cerca de dois
séculos e meio após as primeiras apresentações da peça.
Se em obras como Grande sertão: veredas (2001), de João Guimarães, originalmente
publicada em 1956, o imaginário espírita aparece de forma bastante nítida em sua
efabulação, constituindo um exemplo de obras literárias seminais da literatura que dialogam
com a doutrina sistematizada por Kardec após a sua fundação; em Hamlet se tem o mesmo
diálogo de forma temporalmente bastante peculiar, pois na peça shakespeariana,
cronologicamente anterior ao kardecismo, o que seria tratado por Kardec em seu trabalho já
aparece evidenciado na instigante relação dos Hamlets que se encontram em dimensões
diferentes da vida, mas que mesmo assim mantêm um diálogo e uma interação que
caracteriza importantes aspectos da vida humana.
3. Considerações finais
O quadricentenário da morte de William Shakespeare representa uma importante
efeméride no mundo literário, bem como na cultura em geral. Certamente, muitas
publicações acerca do importante autor inglês surgirão até o final do ano que assinala os
quatro séculos do seu falecimento. Este estudo procurou demonstrar a relação entre a peça
Hamlet, de Shakespeare, e o pensamento espírita, através de questionamento de Allan
Kardec acerca de tópico específico correspondente à relação entre a personagem principal
da peça e o fantasma de seu pai.O resultado apresentado neste estudo sugere como promissora possibilidade de
pesquisas futuras o mapeamento do imaginário espírita em obras representativas da
literatura universal numa perspectiva de temporalidade pré e pós-advento do espiritismo
como doutrina sistematizada por Allan Kardec a partir da publicação de O livro dos espíritos
em abril de 1857.
Referências
BLOOM, Harold. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Tradução de
José Robert O’Shea, s.e. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.
BLOOM, Harold. Shakespeare: a invenção do humano. Tradução de José Roberto 0'Shea, s.e.
Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000.
BLOOM, Harold. Hamlet: poema ilimitado. Tradução de José Roberto O’Shea, s.e. Rio de
Janeiro: Editora Objetiva, 2004.
CAMUS, Albert. O mito de Sísifo. Tradução de Ari Roitman e Paulina Watch, 6. ed. Rio de
Janeiro: 2008.
DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Tradução de Hélder Godinho,
4. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.
KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tradução de Guillon Ribeiro, 76. ed. Brasília: Editora FEB,
1995.
______.O livro dos médiuns. Tradução de Guillon Ribeiro, 62. ed. Brasília: Editora FEB, 1996.
ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 19. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteria, 2001.SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 24. ed. São Paulo: Editora
Cortez, 2016.
SHAKESPEARE, William. Hamlet. Tradução de Millôr Fernandes, 2. ed. Porto Alegre: L&PM,
2009.

Navegação Estrutural

Índice

- Home
- Academia
-----Sobre - Objetivos - Estatuto
-----Diretorias - Patronos
- Membros
-----Titulares - Correspondentes
- Artigos
- Obras
- Links
- Biblioteca
-----Doutrinários - Outros
- Mídias
-----Álbuns - Vídeos
- Contato