luiz-pimentel Últimas Postagens

O Céu é o limite.

Quantas vezes nos surpreendemos tristes ou revoltados, ou ainda inconformados com aquilo que somos ou aquilo que não temos. Na maioria destas oportunidades, nossos sentimentos circulam em torno de algo material, que faz falta ao nosso ego. Todos somos vítimas de tais sentimentos, pois somos criaturas ainda tenras nesta seara cósmica.

Se fosse possível nos conscientizar da verdadeira situação na qual nos encontramos, jamais nos sentiríamos inconformados ou tristes, porém estaríamos plenos de felicidade e dando graças a Deus, nosso Criador, por sermos possuidores de coisas grandiosas assim como parte de algo inimaginavelmente maravilhoso.

Se pudéssemos visualizar toda esta grandeza, poderíamos afirmar que fosse a Terra um perfeito paraíso, mesmo assim não seria minimamente comparável àquilo a que verdadeiramente fazemos jus.

A semente primordial a cada Ser Deus retirou de si próprio. Como acontece a todas as sementes, elas guardam em si todas os atributos da sua espécie. Assim, na semente de Deus está contida a própria individualidade Divina em estado potencial. Portanto, somos a imagem do Pai e como filhos, herdamos todos os seus predicados.

Somos plantas tenras, recém-semeadas, e não possuímos ainda raízes profundas nem galhos largos. Não produzimos sombras e estamos longe de dar frutos. Portanto, falta-nos a vivência necessária para obtermos o conhecimento necessário sobre nós mesmos e o ambiente no qual fomos semeados e crescemos, sob os cuidados do Semeador. Mas, estamos crescendo e evoluindo. Haverá o tempo em que seremos como árvores frondosas doadoras de belos frutos e sombra atrativa.

Enquanto crescemos, somos responsáveis pelo bom aproveitamento do que recebemos. Temos que estar conscientes de que o Sol que nos ilumina e nos fornece calor, energia e tudo mais necessário para nosso crescimento saudável, é também o Sol da liberdade, que permite a individualidade através da consciência e aguarda este crescimento com brandura, impassível, confiante na boa colheita.

Enquanto crescemos, devemos confiar. Se ainda sentimos medos, por não estarmos com raízes profundas que nos assegurem a estabilidade, confiemos! Somos imortais, nada poderá nos afligir. Somos possuidores de riquezas inigualáveis, indestrutíveis; portanto, que não nos causam preocupações. Esqueçamos um pouco as raízes que supomos nos deem toda a sustentação necessária e olvidemos a morte de alguns galhos envelhecidos cuja poda só fortalecerá o crescimento. Permitamos que nossos pensamentos fluam para os galhos e folhas mais altos, em direção ao Sol e, assim, expanda a consciência em busca da origem do Ser.

Enquanto crescemos, olhemos ao redor. Poderemos visualizar a nossa volta nossas irmãs e irmãos maiores, já crescidos, oferecendo belezas e nos fortalecendo com seu exemplo. Devemos procurar a proteção daqueles que podem nos mostrar o caminho de como proceder para que, nós também, possamos no futuro servir como guias aos que vierem depois e, como nós agora, precisem também da força dos nossos exemplos.

Alegre-se! Não se torture pelo insignificante. Não se lastime nem sinta-se desamparado. Por maior que seja o que você julgue como sofrimento e má sorte, esteja certo de que, o que for, não significa muito se comparado àquilo que ainda estar por vir. O céu é o limite!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *